O Alvissarismo é um Espiritismo

De acordo com Alan Kardec, “todo aquele que crê nas manifestações dos espíritos, é espírita”; logo todo Espírita é necessariamente Espiritualista, mas nem todo Espiritualista é necessariamente Espírita. Do mesmo modo, todo Alvissarista é necessariamente Espírita, mas nem todo Espírita é necessariamente Alvissarista. O termo Espiritismo cunhado por Alan Kardec deve ser usado no Alvissarismo como uma extensão religiosa, assim como o Judaísmo-Cristão; o Alvissarismo é um Espiritismo por dois motivos: dá ênfase à comunicabilidade entre os vivos e os mortos e é baseado na Codificação Espírita legada por Alan Kardec, mesmo que de forma reformada; por isso o termo “Espírita-Alvissarista” é legítimo para designar o seguidor dessa Doutrina, assim como os termos “Espírita em Nome-do-Pai”, “Alvissarista-Espírita em Nome-do-Pai” ou simplesmente “Alvissarista”. A palavra “Espiritismo” não pode ser designada apenas à Doutrina codificada por Alan Kardec, mas deve se estender a toda e qualquer filosofia ou religião que pratica a comunicabilidade entre os vivos e os mortos, ou seja, a toda filosofia ou religião que dá ênfase a mediunidade, por isso a Umbanda, o Roustainguismo, o Racionalismo Cristão, o Ramatisismo, a Apometria, a Conscienciologia, a Renovação Cristã, o Ubaldismo e o Alvissarismo devem sim ser denominados de Espiritismo, pois essa prática não é uma exclusividade do Kardecismo, já que a palavra Espiritismo, segundo o dicionário Aurélio, refere-se a toda filosofia e religião que se baseia na crença da sobrevivência do espírito à morte do corpo, afirmando existir comunicação entre vivos e mortos através da mediunidade. Ainda segundo o dicionário Aurélio, os princípios fundamentais do Espiritismo são: existência de Deus e da alma; lei da reencarnação, espírito assume sucessivas formas materiais para aperfeiçoa-se; e lei do carma, o destino de cada espírito é traçado pelos atos praticados em suas sucessivas vidas terrenas.

Por outro lado, a palavra Espiritualismo, segundo o dicionário Aurélio, refere-se a toda filosofia religiosa que prega a existência de um ser ou realidade distinto da matéria; este ser pode ser chamado mente ou espírito. Por esse motivo todo Espírita é Espiritualista, mas nem todo Espiritualista é Espírita, e todo Alvissarista é Espírita, mas nem todo Espírita é Alvissarista. As diferenças fundamentais entre o Kardecismo e o Alvissarismo estão apenas na forma, pois o conteúdo de ambas as doutrinas é exatamente o mesmo, e por isso o Alvissarismo deve sim ser considerado um Espiritismo, posto que o Alvissarismo tem como base doutrinária exatamente as mesmas crenças que o Espiritismo, a saber: Deus, a imortalidade da alma, a reencarnação, a pluralidade dos mundos e a comunicabilidade entre os vivos e os mortos. Eis porque dizemos que o Alvissarismo e o Kardecismo divergem apenas na forma, mas não no conteúdo, sendo ambas as doutrinas Espiritualista e Espírita.

Essa fixação ideológica entre os Kardecistas ortodoxos de que só existe um Espiritismo na face da terra (o Kardecismo), chega a ser pueril de tão ingênua; na verdade, baseado no significado da palavra Espiritismo definido pelo dicionário Aurélio, o Espiritismo é uma doutrina primitiva que surge na pré-história, no fim do período paleolítico, onde começam a aparecer os primeiros vestígios de rituais de sepultamento dos mortos e cultos aos ancestrais, onde se buscava a comunicabilidade entre os vivos e os mortos. Desde então o Espiritismo vem se desenvolvendo, no antigo Egito é possível percebê-lo no Livro dos Mortos, na Bíblia, no Antigo e no Novo Testamento, encontram-se diversas passagens alusivas a fenômenos mediúnicos, mais especificamente no Livro de Números e Deuteronômio, onde Moisés (1391 a. C – 1272 a. C) proíbe pitonisas e feiticeiras de se comunicarem com espíritos, mas por outro lado, aprova as atividades mediúnicas de Eldad e Medad; em outro trecho, Saul (1079 a. C – 1007 a. C), primeiro rei de Isarel, evoca o espírito do profeta Samuel (1095 a. C – ?); e no Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo a pratica do Espiritismo é pública e notória, seja no diálogo entre Jesus e Elias ou então na própria comunicação entre Jesus ressurreto e os apóstolos; na civilização Minoica também existe vestígios do Espiritismo, na Grécia antiga também é possível notar sua existência, inclusive o próprio Filósofo Sócrates (469 a. C – 399 a. C) acreditava na imortalidade da alma e se comunicava com seu daimon. Na Idade Média existem diversos relatos de fenômenos mediúnicos, inclusive de Joana d’Arc (1412-1431), que dizia poder se comunicar com São Miguel Arcanjo, Santa Catarina (1347-1380) e Santa Margarida (? – 305 d. C). Emanuel Swedenborg (1688-1772) descreveu relatos incríveis de comunicabilidade com os mortos, que posteriormente foram criticados por Kant (1724-1804); e mais a frente temos as Irmãs Fox, que tiveram um papel decisivo no surgimento do Espiritismo moderno.

Desconsiderar todas essas manifestações do Espiritismo é desconsiderar a própria história da humanidade, e qualquer pesquisador sério do Espiritismo jamais poderá cometer tamanha sandice, afirmando que o Espiritismo teve sua origem com Alan Kardec. O que Kardec fez foi fundar as bases filosóficas do moderno Espiritismo. De qualquer modo, desde que surgiu a Codificação Espírita de Alan Kardec, tem aparecido diversas dissidências no movimento Espírita, tais como as citadas anteriormente. Não é porque Kardec fundou o Espiritismo moderno que ele se tornou o único representante do Espiritismo na terra, se fosse assim, haveriamos de dizer o mesmo da psicanálise criada por Freud (1856-1939), e, no entanto, desde a invenção da psicanálise, tem aparecido, de tempos em tempos, dissidências no movimento analítico, surgindo diversas correntes de pensamento na psicanálise, como a Junguiana, a Kleiniana, a Winnicottiana, a Bioniana, a Lacaniana e etc. Porque então com o Espiritismo seria diferente? Se existem diversas correntes de pensamento dentro do Espiritismo, porque só o Kardecismo seria considerado Espiritismo? Acaso as correntes psicanalíticas citadas anteriormente não podem ser consideradas psicanálise? Dizer que o Espiritismo Kardecista é o único Espiritismo na face da terra soa tão ridículo quanto dizer que a psicanálise Freudiana é a única psicanálise na face da terra. A Doutrina do Espíritos é de autoria dos espíritos e não de autoria de Kardec, ou seja, Kardec não é dono da Doutrina dos Espíritos.

Espero que, com essa linha de raciocínio, os Kardecistas ortodoxos percebam o quão infantilizados eles se tornam quando tentam fazer do Espiritismo uma propriedade privada de Kardec. O Alvissarismo é um sincretismo religioso que sintetiza o Judaísmo, o Cristianismo e o Espiritismo, já que o seu cânon é estruturado pela Torá, pelo Evangelho e pela Codificação Espírita, sendo Alvíssara o elo que reforma e uni incondicionalmente o Judaísmo, o Cristianismo e o Espiritismo em uma única religião: o Alvissarismo.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s